mario

Uma das coisas que diferencia um jogo de uma simples animação é o fato de podermos controlar um ou mais personagens na tela, mas os pesquisadores da Universidade de Tubingen, Alemanha, fizeram uma mistura interessante entre a autonomia do personagem e os comandos e estímulos que podemos enviar.

A inteligência artificial desenvolvida para o “Super Mario Advance” permite que o Mario responda comandos de voz e questionamentos, experimente diferentes sensações e aja com autonomia em relação a esses sentimentos.

Reconhecendo o que lhe é dito, Mario pode tomar uma decisão entre uma gama de possibilidades baseadas no que ele aprendeu. Por exemplo, Mario não sabe que pular em um Goomba irá destruí-lo até que alguém fornecesse essa informação, ou ainda se ele eventualmente pular em um Goomba e descobrir isso por si só.

Além disso, ele pode agir de acordo com o que está sentindo em um determinado momento. Quando ele está com fome, busca e coleta moedas. Quando está curioso, ele explora o ambiente de forma autônoma. E mais ainda, ele pode planejar seus atos com grande antecedência. Quando um humano pede para que ele vá para um local de difícil acesso, ele fará todo um planejamento de quantos pulos precisará, de qual altura e em qual direção.

Veja abaixo o vídeo feito pelos pesquisadores com o Mario autônomo!

 

(via cnet)

  • Ambiente, Animais e Plantas
  • Cérebro, Biologia e Saúde
  • Computadores e Tecnologia
  • Física e Espaço
  • Você Sabia?