bill-clinton

Bill Gates participou recentemente, mais uma vez, do AMA – Ask Me Anything, o “pergunte-me o que quiser” do Reddit. E entre as questões enviadas, uma delas perguntava para o criador da Microsoft sobre o futuro da inteligência artificial.

Após ser questionado, Gates disse: “Eu estou com as pessoas que estão preocupadas com a super inteligência. Primeiro, as máquinas irão fazer vários trabalhos para nós e não serão super inteligentes, o que é positivo, caso administremos bem a situação. Algumas décadas mais tarde, porém, a inteligência chegará em um nível suficiente para começar a se tornar uma preocupação.”.

Além de Bill, outros nomes expressivos já declararam sua preocupação com o campo, como o físico Stephen Hawking e o empreendedor Elon Musk, invetor e fundador da SpaceX e CEO da Tesla Motors que, inclusive, assinou uma carta aberta recentemente, com outros pesquisadores e professores, com a proposta de que sejam definidos limites seguros para as pesquisas no campo da inteligência artificial para que os humanos não percam seu controle.

Qual a razão desse medo?

A inteligência artificial deixou de ser ficção cientifica. E a ideia que aparece na maioria dos filmes em que robôs acabam terminando como uma ameaça aos humanos é que, no inicio de tudo, parecia tudo uma ótima opção, assim como nos parece hoje.

Hoje robôs são capazes de realizar diagnósticos médicos, como o supercomputador da IBM, Watson, vencer humanos em uma série de jogos e performar nossas tarefas melhor que nós mesmos. O que parece um inicio do que poderia terminar em uma tragédia de cinema.

Segundo Hawking, em artigo para o “The Independente” em maior de 2014: “Enquanto o impacto no curto prazo da inteligência artificial depende de quem a controla, o impacto de longo prazo depende se ela pode ser controlada por quem quer que seja”.

  • Ambiente, Animais e Plantas
  • Cérebro, Biologia e Saúde
  • Computadores e Tecnologia
  • Física e Espaço
  • Você Sabia?